Archive for the ‘sistemas.operacionais’ Category

Refletindo sobre Tendências

Friday, July 10th, 2009

Recentemente muita gente tem me procurado nos instant messengers da vida para perguntar sobre tendências. Existe uma idéia no Brasil de que quem está de for a “traz as novidades”. Isso podia ser verdade antes da Internet mas agora as coisas se espalham com tanta velocidade que em muitos aspectos o Brasil está muito na frente da Austrália.

Mas existe o outro lado que é o trabalho na ThoughtWorks. Os projetos que nós enfrentamos geralmente começam da mesma maneira que os que qualquer consultoria, de três letrinhas ou três pessoas, enfrenta. O diferencial que faz ser um lugar interessante para se trabalhar é o que acontece durante o projeto.

O que segue neste post é uma amarrado de impressões pessoais sobre os últimos doze meses, tanto sobre a Austrália quanto o que sei de outros escritórios. Se ele não for coeso ou fácil de ler eu peço desculpas mas encare como um braindump.

Os projetos para bancos e empresas do mercado financeiro em geral continuam bem parecidos. Em 2007 houve uma euforia em torno da bolha econômica e muitos projetos megalomaníacos –e, por conseqüência, extremamente interessantes do ponto de vista técnico- apareceram mas a crise os tirou do baralho nos tempos recentes. Os bancos estão gastando menos e buscando fazer mais dinheiro reutilizando a estrutura existente. A maioria dos projetos que eu tenho conhecimento dentro de bancos é para estender uma determinada oferta para novos clientes ou é para migrar de uma plataforma legada para algo menos dispendioso.

O interessante sobre o “legado dispendioso”, dentro e fora de bancos, é que muitas vezes ele se trata de coisinhas como WebSphere, Aqualogic, Biztalk, Tibco e produtos parecidos. Apos gastar rios de dinheiro implantando estes e não ver nenhum centavo de retorno real muitos dos grandes estão migrando para plataformas mais eficientes, quase sempre baseadas em software livre. Hoje em dia são comuns projetos de migração de Websphere para Jetty ou de BizTalk para serviços RESTful usando IIS, JSON e ASP.Net MVC, por exemplo.

Na parte de aplicações para Internet, onde geralmente eu me envolvo mais, as coisas também têm mudado bastante. Basicamente os projetos têm se dividido em startups e legado. As startups aparecem com um problema e algum montante de dinheiro. A plataforma mais utilizada para atender estes cenários é Ruby on Rails, geralmente fazendo deployment em algum serviço de Cloud Computing.

Cloud Computing é um tópico extremamente relevante tanto para ThoughtWorks quanto nos nossos clientes. Uma das coisas interessantes que fizemos no início do ano foi trabalhar junto com o Google no lançamento da AppEngine em Java (e outras linguagens).

As empresas com legado de Internet são sempre interessantes. Geralmente elas são algum grande prestador de serviço na área de mídia e possuem um ou mais websites antigos que têm aquela arquitetura manjada de rodar em um Weblogic ou Tomcat com um Apache de front-end. O problema é que hoje em dia o numero de usuários é muito superior e a velocidade com que funcionalidades têm que ser adicionadas e alteradas é muito maior. Após entender que os Googles e Facebooks da vida não usam Java EE e não pagam licença para a IBM as empresas estão desesperadas para atingir o mesmo nível de eficiência.

O que temos feito nesta área é utilizar a já citada Cloud Computing para realizar tarefas que não precisam ser executadas dentro do firewall (de crawling até rodar teste de carga), refatorar aplicações grandes para atingir escalabilidade horizontal e simplificar processos de deployment e gerenciamento de recursos.

Na área mais de programação em si as coisas não têm sido lá muito excitantes. As plataformas em específico não têm nenhuma novidade marcante mas a programação poliglota é uma realidade. Até hoje todos os projetos que tive alguma participação dentro da ThoughtWorks utilizavam mais de uma linguagem de programação (já descontando Bash e JavaScript).

Uma surpresa agradável foi a que tive no meu projeto atual, em que voltei a programar em .Net após 3 anos afastado. A maioria das coisas que eu realmente não gostava sobre C# e seu ecossistema foram removidos (exceto Windows e Visual Studio, duas peças que eu considero de qualidade inferior). A Microsoft continua enfiando frameworks e ferramentas terríveis pela guela dos seus clientes (MSBuild? TFS? WCF? WTF?!?) mas no geral as coisas estão bem melhores.

Em termos de livros sobre programação eu tenho me focado quase que exclusivamente nos conceitos presentes em linguagens e paradigmas de programação. Esta é a lista de livros relacionados que eu li desde que cheguei aqui:



Esta é a fila dos que faltam:


(fora os que ainda estão no meu carrinho de compras na Amazon. Livro na Austrália é ridiculamente caro)

Na parte de gerenciamento de projetos e metodologias as coisas estão engraçadas. Tem horas que a euforia anima, tem hora que dá náusea. Eu acho que o Bellware resumiu muito bem:

early agile adopters were looking for a way to do things better. later adopters are just trying to do agile, thus the failures

Eu vim para a ThoughtWorks para ver como é que quem introduz métodos ágeis há anos trabalha. Nos últimos meses eu trabalhei com pessoas que fazem isto há mais de dez anos e em empresas que adotaram agile antes de eu saber que ele existia. O que eu aprendi neste período inicial é exatamente o descrito acima: quando seu objetivo é ser ágil você falha, quando seu objetivo é sempre melhorar você tem chances de sucesso.

Todos os projetos que participei foram bem sucedidos? Depende de para quem você pergunta. Mesmo os clientes mais difíceis que tive acabaram ficando satisfeitos no final mas muitos projetos que participei (e o número de projetos é bem maior que o número de clientes) foram executados de uma maneira que o time não ficou satisfeito. Eu acho que neste caso é perspectiva. Como a maioria dos projetos são um fracasso colossal basta ter algum nível de sucesso que o projeto vira referência. O time, em compensação, tem um critério de sucesso muito mais alto e não considera o projeto como bem-sucedido.

É claro que no fim das contas o que vale mais é a opinião do cliente –tanto porque o problema dele foi solucionado bem como porque é ele quem paga a conta no final- mas eu já vi diversos problemas decorrentes deste tipo de coisa. De builds que começaram em 10 minutos e terminaram em duas horas de duração até um time que perde 50% do seu tempo corrigindo defeitos por falta de uma suíte de testes decente. Os problemas podem não ser grandes para aquele projeto em específico mas não prestar atenção há eles é mortal em médio prazo.

Minha conclusão é que a indústria está num estado melhor do que há alguns anos atrás. Tecnicamente estamos entrando em uma espécie de renascimento e isso promete render muito material para posts aqui. Em termos de gerencia de projetos e processos as pessoas estão finalmente se convencendo que tudo tem limite, até ineficiência.

Arquiteturas Simples Duram Mais

Wednesday, October 24th, 2007

Um amigo outro dia me perguntou que tipo de arquitetura eu usaria num caso bem peculiar. Basicamente ele foi encarregado de definir a arquitetura corporativa de um grande banco, ou seja: definir hoje a forma como aplicações serão construídas pelas próximas décadas. Basicamente ele vai se ro cara que vai ser xingado por algumas centenas de programadores nos próximos tempos, não importa que arquitetura escolha.

Há poucos dias atrás falamos aqui sobre arquiteturas de referência e seu efeito danoso. Geralmente quando alguém tem à frente um desafio desse ele logo pensa em um modelinho que mostra obriga o uso de uma meia dúzia de frameworks e padrões (clássico moderno: Struts/JSF e JPA, clássico vintage: Struts 1.1 e EJB/DAO). Para melhorar ainda é incorporado um conjunto de classes “utilitárias” feitas com práticas que talvez tenham servido para um projetinho piloto mas hoje em dia só atrapalham.

Ainda assim uma arquitetura corporativa é algo interessante. Quando empresas grandes não possuem uma macro-arquitetura acabam crescendo de maneira desordenada e criando dezenas de aplicações redundantes e gambiarras de integração entre sistemas. Note no entanto que uma arquitetura corporativa não é uma arquitetura de referência, a arquitetura corporativa não fala sobre como implementar aplicações mas sim provê guias sobre como integrá-las, define as relações previstas em no ecossistema que é uma grande empresa.

Quais são as melhores macro-arquiteturas que você conhece? Eu consigo pensar em algumas: Apache, UNIX, World Wide Web… Nestes ecossistemas aplicações novas surgem, são alteradas e morrem todos os dias há décadas, um sistema criado com a tecnologia mais recente de 2007 vai rodar tranqüilamente neste ambiente. Por quê?

Porque estas arquiteturas se baseiam em primitivas e contratos, não em especificações rígidas. Criar um módulo para o Apache , um programa para rodar em UNIX ou uma site é basicamente criar um programa de computador em uma das plataformas suportadas que obedeça a um contrato.

Uma boa arquitetura corporativa vai definir algumas políticas e contratos para a aplicação se relacionar com o meio-ambiente e só isso. No caso do banco, poderíamos definir que uma aplicação deve disponibilizar via uma interface POX/REST seus WebServices, que ela deve utilizar a API do Mogile FS para guardar dados em disco, que cache deve ser feito utilizando a API do memcached.

E se o arquiteto quiser sair do padrão? Ótimo, saia, mas ele deve oferecer compatibilidade com o ambiente.

E se eu já tiver comprado um sistema que faz WebServices via SOAP? Eu preciso criar um meio de disponibilizar estes serviços via POX/REST também. Pode ser uma adaptador simples, um ESB, o que quer que seja. É como quando você compra um equipamento eletrônico com tomada americana, você não vai mudar uma tomada na sua casa para o padrão exótico, vai é comprar o adaptador necessário para plugar ele nas tomadas do seu ambiente.

Mas e se não precisarmos de filesystem distribuído? E se já estivermos utilizando uma solução de cache que faz mais sentido nesta aplicação?

Ótimo, use. O uso de filesystem X, cache Y, banco de dados Z deve ser um guia. Toda vez que alguém precisar de uma solução de cache, filesystem, etc. ele olha o guia da empresa, se não servir ele usa algo que sirva. O que importa é que o uso fique encapsulado no sistema. Imagine que ao invés do Oracle 10g eu resolva usar um MySQL na minha aplicação. Está ótimo mas eu devo manter essa peculiaridade interna à minha aplicação. Os outros sistemas que vierem a se comunicar com o meu não devem precisar saber sobre a existência deste banco, eu não posso usar este banco para comunicação entre aplicações (o que já é uma coisa péssima para se fazer de qualquer forma).

O que importa é:

  1. O arquiteto tem liberdade para resolver seu problema da maneira mais adequada
  2. O novo sistema é compatível com o meio-ambiente

Para ser um bom arquiteto não é necessário ter tanta experiência assim, basta saber olhar os casos de sucesso e aproveitar o que funciona. Geralmente as técnicas utilizadas nestas arquiteturas são também catalogadas como Padrões Arquiteturais em livros. Um bom arquiteto tem que ser um ávido leitor de livros e de código.

Conexão Java 2007

Tuesday, October 23rd, 2007

Mais um ano vai, outro ano vem e o Conexão Java está aí. Este é certamente o evento mais descolado da comunidade Java do Brasil.

O CJ é um grande encontro entre as pessoas que participam em fóruns como o GUJ, o PortalJava e o RioJUG. O foco do evento são os mini-cursos que agem na formação de novos profissionais. Bem, formação não exatamente, ninguém sai de um curso de meioa dúzia de horas especialista em nada mas é uma boa oportunidade de ter contato mão-na-massa com algumas tecnologias e técnicas.

Este ano a estrela do evento é ninguém menos que Carlos Villela. Radicado em Londres pela ThoughtWorks há… bem, há alguns anos… o cv vem falar de algo bem atual: o declínio dos arquitetos monoglotas.

Também teremos algo um pouco diferente. Possivelmente deve haver um repeteco da minha palestra sobre arquitetura do JustJava 2007 (infelizmente sem o Paulo que vai estar de férias) mas enquanto isso é confirmado ficamos com mais uma atração: Oficina do Arquiteto.

Essa é uma idéia meio maluca que acabamos de fechar, vai funcionar mais ou menos assim: alguém traz uma arquitetura -seja de um projeto existente, livre ou de uma empresa, ou desenhado na hora- e nós debatemos esta. Na conversa vão sobrar padrões arquiteturais, guidelines e uma boa dose de bate-papo sobre o que nós, arquitetos, estamos fazendo por aí. Se você já tiver alguma idéia me adiante por email para organizar melhor as coisas, eu vou preparar algumas arquiteturas clássicas para usarmos quando não houver nenhuma na roda. A idéia é bem simples: debate, informação e diversão.

Sistemas Simples, como Portais por exemplo

Sunday, October 7th, 2007

Esse debate no GUJ me mostrou umas coisas engraçadas. Eu já tinha idéia de como as pessoas não têm noção das dificuldades em manter um portal no ar, porque eu mesmo não sabia e porque entrevistei algumas dezenas de pessoas neste meu ano no setor, mas não deixa de ser engraçado.

Quando eu trabalhava numa pequena agência web, lá pelos idos de 2000-2002, eu atendi a muitos grande clientes. Petroleiras internacionais, bancos de investimento, bancos convencionais, fundos de pensão… para todos eu participei do desenvolvimento de sistemas web às vezes muito simples, ás vezes muito complexos. Existia um padrão neste segmento de sites institucionais feitos por pequenas agências, não sei se é assim hoje em dia mas era:

  1. Escolha um gerenciador de conteúdo (CMS)
  2. Escolha a tecnologia para construir o resto do site (se o CMS deixar)
  3. ‘Customize’ (yuck!) os templates (também conhecido como: Corrija os bugs do CMS)
  4. Entregue o site

Eu trabalhei com diversos CMS, na época todos os que prestavam eram pagos e caros. Para clientes pequenos usávamos o Publique!, para clientes maiorzinhos o Calandra, para clientes maiores o Vignette, para monstros que precisavam não de um portal mas de GED o Dcomentum e algumas vezes os caras pediam para trabalhar com Microsoft SharePoint. Minha opinião após algumas dezenas de projetos: Nenhum deles prestava (e duvido que prestem hoje).

Quando fui convidado para entrar para o mundo dos portais fiquei um pouco preocupado. Desde meus tempos na agência eu já havia trabalhado com sistemas de billing, telecom, logística, análise de risco e vários outros domínios complexos com sistema mega-complexos que de tão caros são cobrados em Euros e não dólares. Milhões de Euros, na verdade. Mas topei porque quem me fez a indicação é uma pessoa que sei que não me indicaria uma furada.

Veja só minha surpresa quando descobri que para um destes mega-portais de Internet um CMS não é opção. Ok, muitos deles até usam soluções dessas, meu empregador inclusive, mas apenas para uma parte muito pequena e repetitiva do trabalho. Para tudo que não puder ficar em cache o buraco é bem mais embaixo.

Mesmo para conteúdo cacheado, você acha que é simples manter uma página sendo acessada por milhões de pessoas num intervalo de tempo muito curto? Eu vejo quando uma pessoa na minha equipe evoluiu porque ela começa a ler sobre redes, gerenciamento de memória, etc. Outro dia um cara muito bom mas muito focado em Java que trabalha comigo recebeu uma reclamação de que a aplicação estava gerando um load muito alto nos servidores. Ele teve que se virar para entender o que é o load de um servidor e porque o CPU não fica em 100% mesmo quando o load atinge duas casa decimais. Daí a coisa evoluiu para entrar no servidor e ficar tirando thread dumps (que muitos nem sabem o que é) para analisar o sistema, depois olhar o fonte do java.util.HashMap e identificar um problema de loop infinito que acontecia nesta classe somente quando havia uma grande concorrência. É engraçado, o cara entra com aquela mentalidade de ‘analista/desenvolvedor JEE’ e sai como um profissional de verdade. Eu acho que todo mundo devia trabalhar num lugar assim, ou fazer estágio ao menos.

E aí as pessoas dizem que os nove sites citados lá pelo estudo são simplezinhos e por isso usam LAMP. Isso é muito protecionismo, meu Zahl…

Java é uma boa plataforma para vários casos, mas não para todos. O modelo de IPC pobre, o deployment caixa-preta e a falta de uma meta-programação de verdade afetam fortemente a plataforma mas não é nada que não se consiga viver com. O ponto é que as outras plataformas possuem também suas diversas vantagens em vários casos, entre eles sites como os citados. Cada vez mais os portais possuem maior lógica na Camada (Tier) de apresentação. Os sistemas que temos desenvolvido no meu dia-a-dia de portal geralmente são compostos por um site que possui lógica de aplicação e acessa vários serviços.

A lógica de aplicação eu sinceramente mudaria para Rails sem pensar meia vez. O único ponto que me faria ponderar a princípio seria performance, ironicamente Java é hoje uma das mais performáticas plataformas disponíveis, mas mesmo hoje performance é garantida através de outros meios como caches e hardware (nota: existem poucas coisas que deixam um sistema tão lento quanto construí-lo usando um CMS).

A parte de trás da aplicação, onde ficam os serviços, não seria tão simples. Alguns serviços podem ser migrados para plataformas leves sem pensar duas vezes (muitos deles já estão em PERL e PHP, na verdade) mas assim como faz o Flickr eu usaria Java em alguns deles (o flickr é em PHP e usa Java para upload).

O ponto não é usar ou não Java. O ponto não é Ruby on Rails ganhar de Java no caso XYZ. O ponto é usar ferramentas certas nos lugares certos. Devia fazer parte da ética profissional este tipo de coisa…

Encapsulando o Futuro Incerto

Tuesday, June 26th, 2007

Após as turbulências voltamos ao normal, ou quase. O número de visitas caiu pela metade neste período, então por favor avisem a seus amigos que o blog mudou: philcalcado.com. As URIs antigas devem funcionar mas esta é a oficial.

Nestes últimos dias acabei migrando para o Gnome. Eu nunca fui muito com a cara do gerenciador, mas acho que sempre foi por birra minha com o Miguel de Icaza. Eu nunca engoli direito a história de se implementar as pseudo-especificações da Microsoft como Software Livre em vez de investir em uma plataforma como Java, Python, Ruby ou Strongtalk, mas enfim, hoje em dia eu até Mono uso…

O Gnome segue um paradigma mais minimalista, quem está acostumado com muitas opções sofre um pouco mas anda fácil depois de um tempo. Eu não diria que é melhor ou pior que o KDE< é questão de costume e gosto apenas. O problema que eu venho experimentando não está no Gnome ou KDE e sim nos softwares que os acompanham. Para a maioria das pessoas que usam um computador as configurações de fábrica são mais que suficientes. para um programador este não é o caso. Nós sempre temos que experimentar,t estar e acabar com um HD torrado ou algo parecido. No caso destes ambientes, "algo parecido" geralmente é uma aplicação travando. O problema acontece mais frequentemente com aplicações pequenas, aquelas que ficam nas respectivas docks. É interessante que na maioria dos casos as aplicações funcionam normalmente, mas basta quebrar uma dependência, tentar algo muito diferente e elas desabam. Aí você procura uma solução na internet e descobre que aquele comportamento se deve ao fato da aplicação fazer várias suposições sobre o ambiente que roda, por exemplo que está no KDE ou Gnome. E falha.

Vivi um caso parecido há poucas horas. Era uma página de Internet simples, o problema consistia apenas em XHTML e JavaScript. Uma determinada <div> continha uma objeto flash dentro de si e em alguns casos especiais ele deveria ser substituído por outro. Aí entra o problema. O objeto original faz parte de um determinado framework de anúncios, o novo faz parte de outro. Ao trocar o conteúdo havia um problema de JavaScript que só se manifestava no pior browser: Internet Explorer 6.0. Este browser possui recursos pífios de depuração e por anos é a dor-de-cabeça do pessoal de implementação client-side. Eventualmente, após muitos alert()s, descobrimos que o problema era que o framework original estava no time dos que fazem diversas suposições sobre o ambiente. Ele supunha que existiria um objeto com determinado nome, que uma determinada função estaria disponível, etc. etc. etc.

Estes são dois exemplos simples que mostram o quanto encapsulamento é importante. Você não precisa de objetos para ter encapsulamento (apesar de que se você tem objetos deveria ter encapsulamento), você pdoe encapsular algo como o que sua aplicação expõe e espera encontrar do lado de fora ou como seu JavaScript reage a mudanças na página - Web 2.0, meus caros, Web 2.0 -, o que importa é que seu código abstraia a implementação do que acontece no exterior (uma <div> é uma <div>, não importa se dentro possui o objeto A ou B), qual a implementação das coisas (KDE e Gnome fazem basicamente a mesma coisa) e, principalmente, colabore com as outras aplicações escondendo delas os detalhes da sua implementação.

A “culpa” da quebra de encapsulamento geralmente não está na classe que usa outra e sim na que não oculta dos seus clientes os seus segredos mais íntimos: como diabos ela é implementada.

Linux No Desktop

Thursday, June 14th, 2007

Já que começamos o tema vamos prosseguir para o GNU/Linux no desktop. Minha opinião? Linux no desktop é para quem tem pelo menos tempo (e interesse) de saber minimamente como um computador funciona. É simples: se você é um programador (ou se diz um) e não saber utilizar um GNU/Linux como desktop você está no caminho errado da carreira. Vamos lá, o GNU/Linux não tem nada de novo em termos de sistema operacional. Se você estudou SO em algum lugar (faculdade, livro, cadeia, etc.) você consegue saber como um UNIX funciona, se você acha que “perdeu tempo” estudando S.O. saia desta carreira e deixe os profissionais assumirem.

Mas… minha mãe não. Minha mãe trabalha com projetos, ela não tem tempo nem interesse em aprender como um computador funciona. Durante alguns anos ela usou GNU/Linux alegremente, quando eu morava com ela e dividíamos o computador. Ela já usou diversas distribuições e nunca reclamou. Por que? Porque eu configurava todo o computador, saia no tapa com winmodems e parâmetros bizarros e quando ela usava a máquina ela estava funcionando. Isso explica porque GNU/Linux para desktops corporativos funciona bem: quem toma conta não é o usuário. Agora minha mãe mora sozinha, eu deixaria um GNU/Linux instalado lá? Se eu não tenho tempo de a administrar (ainda que remotamente) não.

E não, não é mérito do Windows, é vergonha do GNU/Linux. Exemplo? Pegue um usuário leigo, deixe ele usando Mac OS X e depois pelo mesmo tempo seu sabor favorito de Linux. Sabe qual ele vai preferir? Eu já fiz essa experiência e te digo: o Mac. As interfaces GNU/Linux, por mais que KDE e Gnome sejam ótimos, não estão prontas para o usuário comum. Neste instante alguém diz: ah, é porque a documentação é para Windows.

Vamos lá, minha mãe não lê o manual do DVD player dela para saber o que o botão XYZ do controle remoto faz, você acha que ela procura na Internet como resolver um problema? A coisa tem que ser intuitiva e como eu disse acima um sistema UNIX é extremamente intuitivo para quem tem a mínima noção de como funciona um SO, mas não o contrário. Minha mãe não consegue diferenciar a rede local da Internet, como ela conseguiria conectar um modem ADSL para dois computadores? E estamos falando de uma pessoa que lida diariamente com computadores diversos há uns bons quinze anos, tanto no trabalho quanto em casa, e já passou por todos os sabores de Windows e antes dele o DOS e OS/2.

Eu não entendo como alguém pode aceitar as limitações de um sistema Windows enquanto desenvolve software (tanto que mesmo quando programo em .Net uso o Mono), mas realmente não consigo conceber um usuário doméstico, sem administrador, usando GNU/Linux.

Performance x Pessoas: Compensando Perdas com Infra-Estrutura

Wednesday, May 16th, 2007

Estava conversando com uns amigos e chegamos a uma dúvida bem interessante: por que as empresas acham normal gastar fortunas em infra-estrutura(CPUs, cores, memória, máquinas, RAC, cluster, cache, replicação) e não acham sequer razoável gastar esse investimento para migar para uma plataforma mais eficiente?.

A empresa típica hoje tem na sua linha de frente programadores..uhm… “não-ótimos” para o serviço. Estes programadores geralmente são “adquiridos” por um valor baixo e possuem como característica básica o “trabalho não otimizado” e err… a “rápida depreciação e eventual substituição da mão de obra”.

Ok, sem mais eufemismos porque este blog não se gaba por ser enterprisey: contratam pessoas ruins que ficam pulando de empresa em empresa porque podem pagar pouco (comparado ao preço de um desenvolvedor de verdade) para elas.

E como isso dá certo? Bom, macacos digitando infinitamente não reproduzem a obra de Shakespeare, mas eu garanto que se eles martelarem um teclado por algum tempo eles escrevem boa parte das aplicações Java EE ou .Net criadas hoje em dia. Desenvolvedores ruins sempre existiram mas desde o advento de ferramentas como Visual Basic e Delphi, além de plataformas gerenciadas como Java e .Net se tornou viável contratar um bando deles de largá-los amrtelando teclados sendor egidos por gerentes de pojeto que se gabam de ter sua ‘arte’ surgida na Roma antiga e acabam aplicando práticas de gestão desta época.

Vamos e venhamos: as aplicações criadas na maioria das empresas são estupidamente simples, qualquer zé mané faz. E também na maioria das aplicações basta se comprar um servidor de R$2.000,00 e qualquer aplicação construída por uma menina de 3 anos roda bem que é uma beleza. Claro que a aplicação precisa escalar, ou precisamos ainda já começar pensando grande (pense numa empresa de telecomunicações), se nosso software foi construído por macacos de Shakespeare como podemos fazê-la escalar?

Com hardware.
Máquina. Memória. CPU. Banco de Dados replicado. Particionado. Cache. Quemt em aço e silício dispensa cérebros.

E porque é tão inpensável contratar bons profissionais (que, segundo estudos, podem substituir 10 ou mais code monkeys) e dar a eles uma ferramenta eficaz e eficiente como Ruby/Rails, JRuby/Jython/IronPython/Groovy, PHP, Seaside ou Python?

Por definição uma plataforma de mais alto nível é menos performática mas quase sempre podemos vencer isso na infra-estrutura.

Que tal parar de gastar numa aplicação ruim, que vai dar problema de manutenção frequente, numa plataforma complexa por algo que tem o mesmo custo total, foi feito por 1/10 das pessoas numa plataforma simples?

Update: Faltou a conclusão: por isso que uma empresa de centenas de pessoas e milhares de verdinhas se mata para imitar o que quatro garotos que vivemd e mesada criam nos fins de semana (e não conseguem nem chegar perto!).
Ok, não é por isso, mas é um dos motivos.

Ele Não Aguenta Mais Arroz Com Ovo

Monday, May 7th, 2007

Continuando na nossa série de alertas (não, não era uma série mas acabo de inventar isso) chegamos a um excelente texto sobre o futuro de java x .Net no infoQ. Deste eu destaco:

When .NET was first released in 2000/2001, the Java community considered it a “clone” of Java, both language and standard library. Comparing simple code samples surely support this impression. However, MS profited from many years of experience with Java, and managed to solve some issues that Sun only now realizes as problems. The impression that the .NET and the CLR are evolving faster than Java is not lost on the Java community.

Other examples of this are modularization and versioning, which.NET solved by choosing the assembly, a collection of classes, as the basic deployment unit. Assemblies are equipped with metadata such as version information, unlike Java’s Jar file which lack versioning metadata. This is troublesome for increasingly large applications, which load many libraries. OSGi now provides a solution for this, Sun is busy adding something similar to Java 7.

The Java language keeps on catching up with C#, adding features such as Generics and features such as AutoBoxing, Enumerated types or Annotations. C# now has anonymous expression support, which forms the underpinning of the LINQ technology. LINQ can be thought of a statically typed query language for many different types of data sources, such as XML, relational databases, but also arbitrary object graphs. The Java space, meanwhile, debates language minutiae such as language support for properties and which of four types of anonymous function to include in the language.

The Java space doesn’t really any of the mentioned items, except for the hosting interface, which was added in Java 6, under the name of JSR 223. This is basically just framework to add new language runtimes and initialize and access them in a standardized way.

Jim Hugunin continues with a detailed explanation of how dynamic method dispatch is handled, which makes use of extension methods and other existing CLR systems. The only comparable initiative is JSR 292, which among other things wants to add a new bytecode invokedynamic .This effort was started by Gilad Bracha, who soon after the creation of the JSR, left Sun, and is now not convinced that this project will bring any short term solutions:

Exceto a bizarrice do LINQ, este texto só mostra algo que vem sendo visto diariamente. Provavelmente a JVM e a CLR vão disputar como VMs de linguagens dinâmicas e de DSLs, e tudo mostra uma vantagem técnica para a MSFT. Acordemos.

Workshop IEEE

Tuesday, May 1st, 2007

Acabo de voltar de Porto Alegre onde participei do Workshop do SPIN-RS sobre tendências no desenvolvimento de software, realizado pelo IEEE. Foi um evento fantástico com apresentação de pessoas do porte de Philippe Kruchten, Stephen J. Mellor e Rebecca Wirfs-Brock, certamente o melhor conteúdo técnico que já vi em um evento nacional.

A única crítica que teria ao evento não é a este em si mas sim a cultura nacional. Muitas e muitas vezes vemos pessoas se despencando até São Paulo ou onde for e pagando várias centenas de reais para ver meia dúzia de pessoas que fazem apenas propaganda sobre uma dada ferramenta. Quando finalmente temos um evento onde pessoas importantes estão falando sobre temas importantes ficamosrestritos aos poucos que ouvem falar e têm coragem de ir ao local. Parabéns a organização do evento e aos presentes por mostrar que este país não é feito (apenas) de arrastadores de caixinhas.

O Futuro na JAOO

Tuesday, March 20th, 2007

Ótimo painel sobre o futuro da programação no JAOO. Especialmente o comentário do PragDave:

Dave: I’d like to predict that the current stacks of software by 10-15 years are going to be in a much worse legacy and more of a nightmare to maintain. You’re going to have employment forever maintaining this stuff. C++, Java code, C# code, this stuff is very complicated and very brittle with all these class libraries and frameworks. We’re digging ourselves in a really big hole and there will be a lifetime of opportunities for you people to maintain this stuff that you’re creating.

Prepare-se e pense nisso antes de comprar aquela ferramenta mágica ou criar mais um framework que faz a mesma coisa que todos os outros.