Archive for the ‘eventos’ Category

Rapidinha: Entrevista no InfoQ

Wednesday, October 6th, 2010

Só para avisar que a entrevista que o pessoal da Infoq.com.br gravou durante o Agile Brazil está online.

AgileBrazil 2010

Wednesday, June 30th, 2010

Semana passada estive em Porto Alegre para o AgileBrazil 2010. Logo ao chegar em Porto Alegre, na quarta-feira, fui passar o dia com meus colegas e amigos da ThoughtWorks Brazil.

Numa das atividades que realizamos periodicamente na TW, o Lunch’n’Learn, o Danilo Sato nos contou um pouco sobre como foi a experiência de desenvolver o (excelente) sistema de avaliação de propostas para a conferencia.

IMG_0690.JPG

Durante o evento eu fiquei basicamente o tempo todo no stand da ThoughtWorks. Foi muito bom poder conversar com as pessoas e entender como as estão experimentando e trabalhando com métodos ágeis pelo Brasil afora.

A impressão geral é de que existe muita energia em torno das abordagens, mas o mercado ainda patina muito. A diferença maior entre o que vejo no Brasil e por outros lugares do mundo é que no Brasil não existe um numero suficiente de pessoas experientes com estas metodologias para atender à demanda nacional e, devido à carência de pessoas que falam inglês no país, não é fácil trazer pessoas de fora.

Infelizmente isso acaba ajudando a proliferação de charlatões cuja única credencial é um saco de certificações vazias. Muita gente afirmando que possui x mil anos de experiência em projetos ágeis, mas que esquecem de informar à clientela que 90% destas horas são dando treinamentozinhos onde bolinhas de tênis são jogadas por aí e apenas 10%, se isso, entregando sistemas. Bom, tomara que isso seja apenas uma fase.

Sobre apresentações, uma coisa que me deixou chateado no evento foi o fato de que tive duas propostas rejeitadas. O que me irritou foi o fato de que não foram rejeitadas pelo seu conteúdo mas apenas porque:

Infelizmente, pela regra de apenas uma sessão por autor, essa palestra
foi rejeitada.

A sessão que foi aceita não era exatamente uma proposta minha. O Rodrigo Yoshima havia me pedido para fazer uma participação em seu workshop sobre modelagem ágil e meu nome entrou como segundo autor neste.

O workshop em si foi bem legal. A demanda foi absurda, provavelmente mais de 3x o numero de lugares disponíveis. O Rodrigo conduziu sua atividade típica de modelagem e, ao final, eu fiz uma mini-palestra sobre como funciona modelagem ágil na maioria dos projetos na ThoughtWorks.

Mas este foi o meu único probleminha. De resto tudo foi excelente, certamente um dos melhores eventos que existem por aí.

Minhas Propostas para a Agile Brazil 2010

Saturday, February 27th, 2010

Acabo de submeter algumas atividades para o Agile Brazil 2010, evento que se realizará em Junho em Porto Alegre. Pelo que entendi, as propostas serão avaliadas pelo comitê organizador do evento.

As propostas estão disponíveis no site e o público pode fazer comentários. Minhas submissões:

Líder Técnico - O Ex-Arquiteto virou Faz-Tudo!

Ele era o centro das atenções. Nenhuma classe era criada sem a sua aprovação. Nenhuma biblioteca era introduzida sem que ele homologasse. Nada entrava ou saía sem a sua verificação. Seus diagramas formavam o livro sagrado do sistema, se o sistema não reflete o diagrama então os desenvolvedores devem ser punidos, obviamente eles não entender seu Grande Plano para Tudo™.

E daí veio este tal de agile. Não apenas introduziu práticas de qualidade duvidosa (duas pessoas, um computador? Sério?) mas também quer eliminar seu papel de visionário. Como um time poderia funcionar sem a visão inpiradora? Como um mero desenvolvedor pode decidir o que é melhor para um projeto onde são investidos milhões?

Pior ainda, o que o líder faz agora que não existem mais diagramas para desenhar?

Arrumando a Casa Após a Festa: Saindo do Pseudo-Agile

Tudo parecia muito simples. Os cartões vão na parede, os times se auto-gerenciam, o tal do Product Owner escreve nos cartões, o time faz retrospectiva… Tantos casos de sucesso por aí, tantos sorrisos e tapinhas nas costas…

Por que está dando tão errado aqui? Por que está fazendo da minha vida um inferno? Por que meu time não está aumentou a produtividade? Por que meus produtos continuam sendo uma porcaria? Por que parece que ninguém sabe o que está acontecendo?

Este é o saco de dúvidas que tenho encontrado por aí.

A maioria vai achar que basta seguirmos os 12 passos do programa e, eventualmente, as coisas vão entrar nos eixos. A maioria acha que basta demitir os gerentes de projeto e colocar coisas coloridas na parede. A maioria acha que basta escrever testes e seu código vai ter qualidade. A maioria acha que basta quebrar casos de uso em histórias e você terá melhor comunicação.

A maioria vai falhar miseravelmente.

Nos últimos anos tenho gasto uma boa parte do meu tempo tentando fazer clientes entender que não importa a cor do cartão na parede, não importa a sua plataforma de desenvolvimento, não importa se você usa cruise ou hudson, não importa se retrospectivas são quinzenais ou mensais… a única coisa que importa nesses tais métodos ágeis é termos ciclos de feedback curto.

Nesta sessão vamos conversar sobre alguns cenários, todos baseados em projetos reais, e no que pode ser feito para tirar o pseudo do seu agile.

E, além das duas palestras, o Rodrigo Yoshima me convidou para ajudá-lo no seu workshop de modelagem:

Reconheça! Você não sabe modelar! Iniciando Projetos Ágeis

Neste workshop prático vamos simular o planejamento inicial de um projeto ágil utilizando as mais variadas técnicas de modelagem como Domain-Driven Design, CRC Cards, User Stories, Paper Prototyping e Brainstorming.

Ajude o cliente a compreender melhor o problema, melhorando seu planejamento e auxiliando as suas estimativas. Um bom modelo ou protótipo serve como uma simplificação de algo complexo, uma abstração útil para o desenvolvimento do projeto. Em projetos ágeis a modelagem está presente, porém, ao invés de uma modelagem solitária numa ferramenta UML, equipes ágeis inovam em colaboração, usando artefatos simples numa dinâmica divertida.

Preparações e Desculpas Esfarrapadas

Monday, October 26th, 2009

Para variar, a desculpa para não ter escrito mais frequentemente é a preparação requerida para a viagem ao Brasil. Eu sei que é uma desculpa esfarrapada mas infelizmente esta etapa envolve mais do que fechar malas e comprar canguru de pelúcia para as sobrinhas, meus últimos dois projetos requereram muita atenção e neste exato momento eu estou finalizando os últimos detalhes de um deles.

Isso fez com que meus planos se alterassem um pouco. Infelizmente não vou ter tanto tempo quanto gostaria para encontrar pessoas, especialmente fora do Rio. Ainda vou em alguns lugares mas nada perto do que tinha em mente antes.

Sobre o evento, acho difícil haver alguém que ainda não tenha esbarrado com um dos banners ou coisa parecida sobre o Caelum Day. A programação está bem interessante e promete ser um dia útil e divertido.

Minha apresentação vai focar no que eu mais tenho feito nestes últimos dois anos: fazer com que times de desenvolvimento saiam do marasmo e comecem a entregar. Não me venha com essa história de “minha metodologia não deixa”, “meu chefe é mau”, etc., todo lugar tem problemas e as coisas dependem de você. A apresentação possui dicas e fundamentos técnicos mas sem vontade nada vai pra frente.

E para, refletir de maneira bem realista o clima da indústria de desenvolvimento de software, este ano eu escolhi mais uma vez filmes de terror para servir de pano de fundo (e comic relief). Ao contrário do ano passado, entretanto, eu escolhi um filme em específico. O primeiro comentário quem acertar o filme baseado na capa da apresentação abaixo ganha… algo… que eu ainda vou decidir:

caelum rio day

As inscrições ainda estão abertas aqui.

Para o workshop de Domain-Driven Design não há mais vagas –mas existe uma lista de espera.

Algumas pessoas ficaram curiosas porque escrevi no meu blog em inglês que acho o assunto (DDD) tedioso. Existe uma enorme demanda de cursos sobre o tema e o Paulo Silveira e eu decimnos que valia a pena realizar mais uma rodada dos cursos. Eu continuo usando Domain-Driven Design em meus projetos e textos, mas o assunto já está meio batido e mastigado.

Na minha opinião, DDD deveria ser parte de um curso maior sobre design em geral, um workshop específico tem relevância quando o assunto é novidade mas perde o apelo quando a técnica começa a ser utilizada por mais gente. Tenho lido mais sobre outras coisas e, se tudo der certo, vamos ver se em 2010 eu consigo aposentar o workshop de DDD e partir para estas novas coisas.

Bom, por enquanto é isso. Nos vemos semana que vem.

Projeto Brazil 2009 - Preenchendo Lacunas

Wednesday, July 22nd, 2009

Bom, com a passagem na mão e devidamente autorizado pelas autoridades competentes eu posso publicar aqui que este ano, mais uma vez, eu vou passar alguns dias no Brasil em uma clássica e manjada parceria com a Caelum.

O plano original é emendar tudo com o lançamento do livro -que eu, relapso que só, ainda não mencionei neste blog- mas este plano pode mudar. De qualquer maneira o esquema básico é o mesmo do ano passado: uma conferência e alguns workshops. Ainda não posso falar sobre nenhum deles porque nada foi decidido mas assim que eu tiver definições eu posto aqui.

Mas meu objetivo com este post é me colocar à disposição. A viagem deste ano é totalmente a trabalho -tirando alguns dias para a família e os amigos, claro- e eu pretendo visitar o maior número de grupos de usuários, empresas e comunidades de desenvolvimento de software que eu conseguir. Faz dois anos que estou na Austrália e apesar de meu contato diário com a comunidade brasileira uma coisa é falar de longe e outra é ver de perto.

Eu tenho algumas visitas já marcadas e, infelizmente, não muito tempo disponível então vou ter que priorizar as coisas. A minha idéia original é chegar no grupo de usuários/empresa/etc., fazer uma apresentação de uns 30 minutos e depois passar algum tempo pareando com as pessoas e atualizando minhas percepções sobre o mercado brasileiro em geral. Eu chego dia 31/10 e volto dia 15/11, estarei, a princípio, no Rio durante toda a viagem mas topo viagems próximas.

Topa? Me manda um email. Não sabe meu email? Se vira.

Mingle Day - Rio e São Paulo

Tuesday, June 23rd, 2009

Como este blog já anunciou este ano será cheio de eventos da ThoughtWorks no Brasil.

Uma coisa a se notar sobre a ThoughtWorks é que somos uma empresa de consultoria mas com uma divisão de produtos. Como a eventual vinda da ThoughtWorks para o Brasil significa a vinda das duas partes é bom que também apresentemos ao mercado brasileiro os softwares que produzimos.

O software mais popular da suite é o Mingle, um sistema de gerenciamento de projetos com muitas características interessantes. Ele foi construído baseado na experiência da empresa prestando consultoria, entende bem que cada processo é diferente e que modelos engessados não funcionam bem. Também possui uma interface rica que aliada com alguns recursos de hardware se torna uma ferramenta extremamente útil quando um Kanban eletrônico é necessário. Por fim é provavelmente o mais famoso caso de uso do JRuby on Rails -o Mingle usa componentes escritos em Java aliados aos recursos do Rails.

Se você quer conhecer mais sobre o produto tem duas oportunidades. Abaixo os convites.

Rio de Janeiro

Hi,

ThoughtWorks is sponsoring Agile Brazil 2009, the first major conference on Agile methodologies to be held in Rio de Janeiro, Brazil. In this extensive, one-day event, various practitioners and speakers will conduct sessions on a range of well-known Agile methodologies and practices such as Lean, Scrum, XP, User Stories, Continuous Integration, Release management and Test Driven Development.

Date and Venue:
June 27, 2009, 8:30am - 6:00pm.
Salao A (Padre Anchieta hall)
PUC-Rio, Gavea, Rio de Janeiro, Brazil.
Registration Information
Registration: R$ 200,00.
Register for Agile Brazil 2009

Mingle User Group Meeting in Rio de Janeiro

We have organized a free follow-on event for agile enthusiasts. We invite you to the Rio Mingle User Group (MUG) Meeting, an exclusive meet for Mingle users in Brazil, to discuss and share their experience with Mingle. Adam Monago, our product expert along with other Agile experts will take you through Mingle and its features and provide you tips and tricks on how to better use Mingle for project management and collaboration. After the talk you can interact with the attendees over food and drinks.

Date: 1- July-2009
Time: 17:30 - 19:00
Venue: PUC-Rio, Rua Marques de Sao Vicente 225 - Predio Padre Leonel Franca - 13 andar - Gavea, Rio de Janeiro, Brazil

To confirm your participation for the Mingle User Group, simply reply to this email: Studios-Brazil@thoughtworks.com?

Regards,
ThoughtWorks Studios
Studios-Brazil@thoughtworks.com

São Paulo

A Aspercom e a ThoughtWorks convidam você para o Encontro Agile / Mingle User Group Meeting. Este será um evento gratuito em São Paulo com mini-palestras, discussões e muito bate-papo.

Data: 30 de junho de 2009 às 19:00hs / Local: Av. Paulista

Facilitadores:
Paulo Caroli, Adam Monago (ThoughtWorks)
Rodrigo Yoshima, José Paulo Papo

Mingle User Group Meeting

O encontro do Mingle User Group (MUG) do Brasil é uma oportunidade para conhecer, discutir e compartilhar experiências com o Mingle. Adam Monago, um especialista no produto juntamente com outros Agilistas experientes, demonstrarão o Mingle provendo dicas e truques em como usar o produto para gerenciamento de projetos e colaboração.

Local, agenda, inscrições e outras informações acesse: http://blog.aspercom.com.br/2009/06/22/evento-agile-mingle/

Rodrigo Yoshima
ASPERCOM

Paulo Caroli
ThoughtWorks

Agile Brazil 2009

Sunday, May 24th, 2009

Caso você ainda não saiba a ThoughtWorks está patrocinando um evento em Junho, no Rio de Janeiro: Agile Brazil 2009.

Além de palestrantes locais o evento vai contar com três ThoughtWokers: Jason Yip, Paulo Caroli e Adam Monago. O Jason é um dos mestre jedis em lean software development que temos na TW. O Paulo é brasileiro e trabalha oficialmente na TW US mas está em uma temporada na Índia. O Adam é gerente de produtos do Mingle.

Eu tenho conversado bastante com o Jason para explicar mais sobre o cenário de desenvolvimento de software no Brasil -que é bem diferente de qualquer outro país que eu conheça. Conhecendo a peça eu tenho certeza que a palestra vai ser uma excelente oportunidade para quebrarmos alguns mitos sobre lean que estão sendo introduzidos na cultura brasileira -como os de que contar “bugs por linhas de código” é uma métrica razoável para justificar uma prática ou metodologia.

Uma coisa boa é que ele está muito entusiasmado em fazer visitas à empresas interessantes. Eu entrei em contato com alguns lugares que considero bons candidatos mas se você tem alguma história interessante para contar e gostaria de recebê-lo por um dia me mande um e-mail que eu coloco vocês em contato. Note que ele vai estar no Rio e que você precisaria de alguma espécie de intérprete Inglês-Português.

Infelizmente eu não vou poder ir ao Brasil neste início de ano já que estou começando um projeto complicado na próxima semana que deve durar até Julho. Existe uma grande possibilidade de ir no segundo semestre, vamos ver se ela se realiza.

Gerencie como um pr0n star!

Friday, May 15th, 2009

Se você não entendeu a piada com o título clique aqui.

Então tivemos o Scrum Gathering Brazil esta semana. Infelizmente eu não estava por lá mas acompanhei bastante a movimentação via twitter e conversando com amigos nos instant messengers da vida. Agora estou lendo a cobertura dos blogs.

A que mais me chamou atenção –e eu já previa isso tendo conversado com o autor durante a evento- foi a do Rodrigo Yoshima. Entre diversos comentários sobre apresentações que deixaram pontos de interrogação e exclamação na cabeça do autor eu destaco:

Usando Scrum com o Visual Studio Team Systeam - Fabio Camara [...]
- Ele acha incrível como a Regra de Pareto se aplica a projetos de software: 20% dos desenvolvedores fazem 80% do trabalho.
- Ele se questiona se vale a pena o programador testar. Para ele, o programador só deve verificar e um testador, que é mais barato, testa efetivamente. Na mesma linha ele questiona TDD para projetos que ele denomina “time-driven”. Não achei referências para esse termo, mas ele classifica como os projetos onde tudo é para ontem. Nesses projetos não há tempo para pensar em testes unitários.
- A maior divergência porém, é o papel do ScrumMaster na visão do Fabio Camara. Para ele o ScrumMaster Monta o Plano, Distribui Atividades, Obtém Feedback e Refaz o Plano. Ele deixou claro na palestra que essa é a opinião dele. Quando questionei a respeito da auto-organização do Scrum ele disse que também não acredita na auto-organização.

E o grande sumario disso (desculpe o hotlink, Rodrigo!):

Este é o tipo de coisa sobre a qual eu falei aqui, aqui, aqui, aqui e, principalmente, aqui.

Quanto mais as metodologias ágeis ganham o mainstream mas nós vamos ver este tipo de coisa. O fato de que Scrum possui certificações e selinhos só piora tudo já que dá credibilidade imediata a uma informação errada no seu princípio básico.

Isso me lembrou alguns casos. Uma vez uma amiga foi para um cliente que havia implantado Scrum há pouco tempo. Todos fizeram o cursinho e tinham selinho de CSM. O diretor do programa tem o selinho melhor, CSP, e estava no caminho do seu CST, o selinho máximo.

Ela é uma analista de negócios e quando chegou foi levada imediatamente para uma sala com todos os stakeholders e desenvolvedores. Eles olharam seriamente para ela e disseram algo como:

- Precisamos muito da sua ajuda. Precisamos de aconselhamento em como deixar a informação visível. Agora com Scrum nós precisamos deixar claro o que está acontecendo aqui no desenvolvimento para todos.
- Uh. Ok, então acho que vocês podem começar me explicando o processo de negócios, acho que posso ficar algumas horas vendo como vocês trabalham e como o sistema é usado. Depois queria conversar um pouco com o time de desenvolvimento, podemos fazer uma mini-retrospectiva e uma futurospectiva para tentar entender porque a comunicação é um problema. A partir daí nós traçamos um plano, pode ser necessário conseguirmos coaches técnicos e, talvez, um gerente de projetos com experiência em métodos ágeis…
- Er… ahm. Ta. Mas… não era bem isso que estávamos pensando. Sabe, nós já fizemos tudo isso. Tivemos uma grande reunião, acertamos os fluxos de trabalho e tal.
- É? Mas… pelo que eu vi conversando com pessoas durante as últimas semanas vocês ainda têm problemas, os desenvolvedores estão reclamando de que tudo muda o tempo todo, o pessoal de negócios reclama que vocês estão quinze meses atrasados…
- Sim, sim, sabemos disso tudo. Mas nós sabemos que com o Scrum eventualmente essas coisas vão se resolver, não estamos preocupados. O que nós não conseguimos entender é como otimizar a radiação de informações utilizando kanbans distribuído pelo chão de fábrica.
- “Otimizar..kanban…” peraí, vocês querem que eu ajude você a decidir onde colocar seu story wall?
- É, acho que você pode colocar deste jeito…
- Você tem alguma idéia do quanto vocês estão pagando por hora pra eu estar aqui?!?

Eventualmente o cliente percebeu que onde posicionar o story wall era o menor dos seus problemas. Um dos principais problemas deles é que estavam fazendo exatamente o que o Fabio Câmara sugeriu: tinham um Scrum Master que criava, gerenciava e ajustava o plano. Os desenvolvedores estavam sempre atrasados porque eles nem sabiam qual era o plano, apenas sabiam das atividades. Discussão típica:

- Estamos atrasados!
- Você está atrasado, meu time está em dia.
- Como assim?
- Eu falei que precisava de dois dias para colocar o back-end em produção, bom estamos terminando agora, com o mínimo de atraso.
- Mas o front-end não está pronto, qual a diferença?
- Isso é com o time do Beltrano. Nós aqui estamos certos. Sprint goal atingido, vamos para o bar.

Ou, na “obtenção de feedback”:

- Ok, esta tarefa aqui está demorando muito então vamos acabar entregando aquela ali atrasada.
- Você está dizendo que o projeto vai atrasar?!
- Não, não. Você me entendeu mal. Meu time está OK, nós vamos entregar em dia, não se preocupa não.
[dois dias depois]
- E aí, tudo certo?
- Tudo.
- Aquela tarefa ali… está meio atrasada, não?
- Não, não. Veja bem, ela já vai estar pronta… já já.
[final do sprint]
- Então, como estamos?
- Bom. Aquela tarefa ali atrasou. Isso fez com que o Fulano ficasse preso ajudando o Beltrano e não fizesse o trabalho dele. Mas não tem tanto problema porque ele não ia conseguir fazer o trabalho dele mesmo já que esta tarefa depende da outra.
- Então… o que vocês estão entregando hoje?
- O Domain Model, todas as classes no lugar. Ta pronto. Só falta testar.

A solução neste caso específico teve que ser meio drástica. O que queríamos fazer era remover todos os Scrum Master e devolvê-los a sua posição original (geralmente gerente de projetos e desenvolvedores sênior) mas vimos que isso ia causar problemas políticos demais. A solução mais viável foi manter os Scrum Masters -pelo menos o título- e usarmos “Gerentes de Iteração”. Iteration Manager é o termo que usamos para um papel equivalente ao Scrum Master –gerente de projetos é outra coisa- e estes caras atuavam como lideres dos times e gerentes de iteração.

Os gerentes de projeto -ainda chamados Scrum Masters por razões históricas- tinham ainda o “plano”, algo em extremo alto nível que dizia que considerando a situação atual de escopo e velocidade a funcionalidade X vai ser entregue dia Y, a Z dia W e assim por diante. Arrastar barrinhas no Microsoft Project não mudava o plano, ele era apenas um retrato da situação real e para mudar a situação real você tem que resolver seus impedimentos. Sem truques.

Outro problema foi o tal do testes. Nós sabemos que desenvolvedores profissionais testam mas neste cliente eles compartilhavam da idéia do Fábio de que testar é coisa pra recurso barato. Resultado? Os recursos caros ficavam dias produzindo código caro que não funcionava. Apos um sprint inteiro de código caro produzido se tinha que reescrever boa parte. Como é aquela história de “o barato sai caro mesmo”?

Nada disso, qualidade é algo muito caro para ser produzido por “recursos baratos”. Como o Jason Yip diz: controle qualidade é responsabilidade do time todo -ele sugere o termo “Inspetor de Qualidade” para o que normalmente chamamos de QA- e para isso os desenvolvedores precisam entrar na dança.

Sendo extremamente sincero, eu não consigo entender como um desenvolvedor experiente assume que uma metodologia ágil consiga funcionar sem testes. Você não tem sequer uma especificação dizendo o que vai construir!

A única maneira que eu vejo disso meio que funcionar é se ao invés de uma metodologia ágil você utilizar apenas mini-waterfalls a cada sprint. Fica um tempo especificando o que vai ser feito, um tempo fazendo, um tempo testando. Enxágüe e repita. Mas isto não é uma metodologia ágil, o ciclo de feedback é muito longo!

E este foi só um dos múltiplos exemplos que tivemos nos últimos dois anos. É preciso ter cuidado, muito cuidado. Scrum vêm crescendo muito como hype e é um framework, cheio de lacunas por definição. Quando alguém com bastante bagagem vê as lacunas no Scrum ele logo assume que basta enfiar o que já se usa em desenvolvimento “tradicional” e acaba criando um híbrido de modelos quase sempre extremante ineficiente.

Scrum não diz como desenvolver software? Sem problemas, nós sabemos fazer isso: escreve uma especificação no wiki, codifica, testa. Scrum não diz como compartilhar conhecimento sobre o código? Sem problemas, nós sabemos como fazer isso: antes do código ser enviado para o SCM ele tem que ser aprovado por um membro mais sênior do time. Scrum não diz como integrar código? Sem problemas: cada um cria seu branch e nós integramos no final do Sprint.

É bom notar que mesmo com as lacunas citadas o framework tem princípios bem definidos. A opinião de que o Scrum Master é o dono do plano vai de encontro com o que o Scrum prega. Pode ser a opinião de alguém experiente, você pode achar que faz sentido… só não pode dizer que isso é Scrum.

E se você soma isso ao fato de que não é preciso muita coisa para ter um certificado em Scrum o problema toma proporções gigantescas. Scrum em si não diz que é errado, digamos, escrever um documento de caso de uso de vinte páginas para cada item de backlog. E se, ainda por cima, a pessoa que sugeriu isso ainda possui um selinho dizendo que ele sabe Scrum?

Se você não tem um time experiente em metodologias ágeis então comece seguindo todas as práticas de XP. Após ganhar experiência decida o que funciona e o que não funciona –mas teste todas antes, e por um tempo considerável.

Não comece apenas por Scrum. Como falei antes você vai encontrar muitos buracos e sempre a solução mais fácil vai ser fazer o que já se fazia antes.

Repetindo um tema freqüente neste blog: eu posso programar FORTRAN em qualquer linguagem. Eu posso gerenciar waterfall e/ou comando-e-controle em qualquer metodologia.

Falando em Java 2009

Saturday, March 14th, 2009

Tem um tempinho a Caelum anunciou a terceira edição do Falando em Java, que definitivamente para mim é o melhor evento nacional sobre o tema desde o ConexãoJava.

Pelo que eu entendi será realizado no mesmo espaço que o Falando em Agile, um excelente centro de convenções com restaurantes próximos (especialmente se você gosta de sushi) e bema cessível mesmo para os que, como eu, não conhecem a cidade de São Paulo.

Em 2007 eu tive o prazer de apresentar na primeira edição do evento, com a infame “A Web 2.0 somos Nozes”:

Infelizmente este ano não vou poder participar. Apesar da minha mudança recente para Sydney estou trabalhando num projeto em melbourne (sim, eu vôo segunda de manhã para Melbourne e volto sexta de noite para Sydney, toda semana!) e por enquanto não posso ter planos de viajar em médio prazo.

Interessante que olhando agora a apresentação do FeJ2007 eu vejo que mais uma vez eu estou trabalhando numa grande empresa de mídia tradicional tentando fazê-los entender o que é Web 2.0 e como não ficar atrás. Estamos construindo um agregador de blogs utilizando coisa bem legais como Atom Publishing Protocol e microformatos, além de novamente uma estrutura de widgets.

Mas voltando ao evento, pela bagatela de R$ 95,00 você não vai perder essa, vai?

Apresentação no FalandoEmAgile

Wednesday, October 29th, 2008

O evento foi sensacional. Tirando algumas coisas bem… interessantes… todas as apresentações tiveram um nível excelente.

Apos ficar bufando por meia-hora no palco e dar mais motivos para a minha esposa reclamar da minha falte de exercício físico eu acho que a minha apresentação foi razoável. Eu ainda estou respondendo e-mails que recebi com relação à alguns pontos tocados, pelo visto valem uma série de posts.

Foi também minha primeira experiência com apresentações sofisticadas no Keynote. Um dos problemas deste tipo de coisa é que a versão em PDF fica horrível. De qualquer forma, aí está:

A Caelum está mais que de parabéns.