Archive for the ‘rio’ Category

Última Parada no Brasil: Vejo Vocês no Rio!

Thursday, January 28th, 2010

Tem um tempinho que comentei sobre os eventos de recrutamento da ThoughtWorks Brasil (não tem porque fingir que não e chamar os eventos de outra coisa, este é o objetivo! Uma surpresa boa é que a Suzi, de quem falei no último post, me pediu para ajudá-la com o evento do Rio, que será realizado no próximo Sábado, dia 30:

Host: ThoughtWorks Brazil
Date: Saturday, 30 January 2010
Time: 09:00 - 13:00
Location: Mercure Botafogo, Sala Petrópolis, Rua Sorocaba, 305- Botafogo
Description
ThoughtWorks is hiring in Porto Alegre. We recognise that not everyone’s lucky enough to live there yet, so we’re giving people in Rio the opportunity to find out more about us and to take our assessments :-)

Please note that we do not currently have plans to open an office in Rio. Please only come to this event if you are serious about relocating to Porto Alegre in the next couple of months. I will beat you with twigs if you come along and don’t want to relocate.

ThoughtWorks’ hiring process includes some assessment tests. Many ThoughtWorkers consider them fun, although they are challenging. We’re running some sessions for you to take them and to give you a chance to find out more about ThoughtWorks.

We are currently hiring Java developers and testers with automation experience. To be considered for a developer role, you’ll need to convince us that you’re already a pretty good Java/Ruby/C# developer who’s passionate about software development, team work and Agile development. Testers can come from a variety of backgrounds, but you’re going to be open-minded about a whole new way of testing.

While we usually start our hiring process with a telephone interview, we’re mixing it up a bit and giving people the opportunity to take our assessments first. The next stage, for developers, is to write some code and testers will do a telephone interview.

If you haven’t already, please send your CV to work@thoughtworks.com and questions to suzi@thoughtworks.com, or post on here. You only need to attend one event, and numbers are limited to 25 people per session. It would be great if we know in advance that you are coming. So, if you plan to attend, either accept on here or email me.

Mais detalhes na página do Facebook do evento. Você deve ir na página e dizer que vai para prepararmos o evento, qualquer dúvida me mande um email.

Infelizmente eu não vou ter muito mais que algumas horas para ficar no Rio, mas vai ser uma ótima oportunidade para conhecer e bater um papo com as pessoas que têm interesse em trabalhar para a ThoughtWorks. Não perca esta oportunidade!

Sem Surpresas no Showcase!

Thursday, December 3rd, 2009

Existem muitas coisas que só se aprender na prática, depois de apanhar muito. Uma das coisas que eu –creio que- aprendi desta forma é como lidar com um showcase (ou Sprint Review, se você insiste).

Um showcase acontece geralmente no último dia de uma iteração. Ele serve para que o time apresente aos interessados –usuários, patrocinadores, pessoas não diretamente envolvidas no projeto, etc.- o que foi feito nesta iteração.

Eu costuma lidar como showcases como o momento onde o time e o usuário interagiam, onde o usuário via o produto final como um todo, dava feedback para o time e aprovava ou rejeitava histórias.

Péssima idéia. Todos os pontos acima são extremamente importantes mas eles não devem acontecer durante o showcase e sim durante toda a iteração.

O maior problema ao utilizar o showcase como único/principal ponto de interação é que você acaba tendo um big-bang feedback. Ao invés de colher feedback iterativamente no decorrer do período, de uma maneira que o time possa agir para consertar possíveis problemas, você recebe feedback em lote sobre tudo que foi feito naquela iteração de uma só vez. Não só isso pode significar excesso de informação bem como certamente vai frustrar o time e, principalmente, o usuário já que quando o feedback chega já é o fim da iteração e tarde demais para agir. Fica para a próxima.

E um problema parecido é o planejamento em big-bang, coisa que muita gente faz no seu Iteration Planning Meeting (IPM, ou Sprint Planning I & II se você realmente vai continuar insistindo). Em muitas equipes que conheço este é basicamente o único momento onde se planeja e prioriza uma iteração.

Combinando os dois problemas você tem um cenário extremamente frustrante: o usuário faz um grande planejamento, sai por duas semanas e volta para ver se seu plano foi cumprido. Se o time não conseguiu fazer tudo que ali estava definido o usuário fica frustrado e começa a desconfiar de tudo e de todos. Este tipo de situação é péssimo para qualquer tipo de empresa mas para nós, consultores, ele é simplesmente inaceitável.

O que eu aprendi com os mais experientes gerentes de projetos que já trabalhei é que em um showcase não podem haver surpresas. O cliente deve dar feedback sobre cada história e acontecimento individualmente, e durante a iteração. Na minha palestra no Rio mês passado eu falei brevemente sobre o “modelo do sanduíche”, melhor explicado aqui. Esta é a melhor maneira que eu conheço para ter certeza de que não haverão surpresas durante o desenvolvimento: para cada história -individualmente!- o usuário planeja junto com o time o que vai ser feito e depois verifica e aprova ou rejeita o resultado.

É claro que isto funciona melhor quando o cliente está presente o tempo todo, mas isto não é estritamente necessário. Se você possui um cliente fisicamente distante pode procurar outras maneiras de receber feedback frequente, coisas simples como fazer deploy constante para um servidor e mandar um email para o usuário pedindo para ele testar uma nova história neste ambiente. Só tenha certeza que seu usuário viu, aprovou e está ciente dos possíveis problemas e eventuais workarounds antes do showcase. É melhor isso do que criar um banho de sangue quinzenal.

Um showcase deve ter foco em mostrar para todas as partes interessadas o progresso feito, nunca em aprovar ou rejeitar histórias. Re-lembre a todos de onde viemos, onde estamos e para onde vamos. É claro que num projeto sadio sempre vai haver feedback vindo de múltiplas partes durante esta sessão, e isto é bom, mas um showcase não deve ter foco em receber feedback mas sim mostrar a evolução do projeto.

Existe todo um movimento de pessoas que prega que iterações são ruins. Um dos argumentos utilizados por esta escola de pensamento é exatamente de que o feedback em uma iteração tende a ficar apenas nos intervalos, não sendo frequente o suficiente. As pessoas vão para um modelo sem iterações e dizem que estão “livres da cerimônia” e que agora feedback e valor fluem o tempo todo. Bom, talvez o problema não seja com iterações em si mas sim na maneira como você as modela…

Preparações e Desculpas Esfarrapadas

Monday, October 26th, 2009

Para variar, a desculpa para não ter escrito mais frequentemente é a preparação requerida para a viagem ao Brasil. Eu sei que é uma desculpa esfarrapada mas infelizmente esta etapa envolve mais do que fechar malas e comprar canguru de pelúcia para as sobrinhas, meus últimos dois projetos requereram muita atenção e neste exato momento eu estou finalizando os últimos detalhes de um deles.

Isso fez com que meus planos se alterassem um pouco. Infelizmente não vou ter tanto tempo quanto gostaria para encontrar pessoas, especialmente fora do Rio. Ainda vou em alguns lugares mas nada perto do que tinha em mente antes.

Sobre o evento, acho difícil haver alguém que ainda não tenha esbarrado com um dos banners ou coisa parecida sobre o Caelum Day. A programação está bem interessante e promete ser um dia útil e divertido.

Minha apresentação vai focar no que eu mais tenho feito nestes últimos dois anos: fazer com que times de desenvolvimento saiam do marasmo e comecem a entregar. Não me venha com essa história de “minha metodologia não deixa”, “meu chefe é mau”, etc., todo lugar tem problemas e as coisas dependem de você. A apresentação possui dicas e fundamentos técnicos mas sem vontade nada vai pra frente.

E para, refletir de maneira bem realista o clima da indústria de desenvolvimento de software, este ano eu escolhi mais uma vez filmes de terror para servir de pano de fundo (e comic relief). Ao contrário do ano passado, entretanto, eu escolhi um filme em específico. O primeiro comentário quem acertar o filme baseado na capa da apresentação abaixo ganha… algo… que eu ainda vou decidir:

caelum rio day

As inscrições ainda estão abertas aqui.

Para o workshop de Domain-Driven Design não há mais vagas –mas existe uma lista de espera.

Algumas pessoas ficaram curiosas porque escrevi no meu blog em inglês que acho o assunto (DDD) tedioso. Existe uma enorme demanda de cursos sobre o tema e o Paulo Silveira e eu decimnos que valia a pena realizar mais uma rodada dos cursos. Eu continuo usando Domain-Driven Design em meus projetos e textos, mas o assunto já está meio batido e mastigado.

Na minha opinião, DDD deveria ser parte de um curso maior sobre design em geral, um workshop específico tem relevância quando o assunto é novidade mas perde o apelo quando a técnica começa a ser utilizada por mais gente. Tenho lido mais sobre outras coisas e, se tudo der certo, vamos ver se em 2010 eu consigo aposentar o workshop de DDD e partir para estas novas coisas.

Bom, por enquanto é isso. Nos vemos semana que vem.

Projeto Brazil 2009 - Preenchendo Lacunas

Wednesday, July 22nd, 2009

Bom, com a passagem na mão e devidamente autorizado pelas autoridades competentes eu posso publicar aqui que este ano, mais uma vez, eu vou passar alguns dias no Brasil em uma clássica e manjada parceria com a Caelum.

O plano original é emendar tudo com o lançamento do livro -que eu, relapso que só, ainda não mencionei neste blog- mas este plano pode mudar. De qualquer maneira o esquema básico é o mesmo do ano passado: uma conferência e alguns workshops. Ainda não posso falar sobre nenhum deles porque nada foi decidido mas assim que eu tiver definições eu posto aqui.

Mas meu objetivo com este post é me colocar à disposição. A viagem deste ano é totalmente a trabalho -tirando alguns dias para a família e os amigos, claro- e eu pretendo visitar o maior número de grupos de usuários, empresas e comunidades de desenvolvimento de software que eu conseguir. Faz dois anos que estou na Austrália e apesar de meu contato diário com a comunidade brasileira uma coisa é falar de longe e outra é ver de perto.

Eu tenho algumas visitas já marcadas e, infelizmente, não muito tempo disponível então vou ter que priorizar as coisas. A minha idéia original é chegar no grupo de usuários/empresa/etc., fazer uma apresentação de uns 30 minutos e depois passar algum tempo pareando com as pessoas e atualizando minhas percepções sobre o mercado brasileiro em geral. Eu chego dia 31/10 e volto dia 15/11, estarei, a princípio, no Rio durante toda a viagem mas topo viagems próximas.

Topa? Me manda um email. Não sabe meu email? Se vira.

Mingle Day - Rio e São Paulo

Tuesday, June 23rd, 2009

Como este blog já anunciou este ano será cheio de eventos da ThoughtWorks no Brasil.

Uma coisa a se notar sobre a ThoughtWorks é que somos uma empresa de consultoria mas com uma divisão de produtos. Como a eventual vinda da ThoughtWorks para o Brasil significa a vinda das duas partes é bom que também apresentemos ao mercado brasileiro os softwares que produzimos.

O software mais popular da suite é o Mingle, um sistema de gerenciamento de projetos com muitas características interessantes. Ele foi construído baseado na experiência da empresa prestando consultoria, entende bem que cada processo é diferente e que modelos engessados não funcionam bem. Também possui uma interface rica que aliada com alguns recursos de hardware se torna uma ferramenta extremamente útil quando um Kanban eletrônico é necessário. Por fim é provavelmente o mais famoso caso de uso do JRuby on Rails -o Mingle usa componentes escritos em Java aliados aos recursos do Rails.

Se você quer conhecer mais sobre o produto tem duas oportunidades. Abaixo os convites.

Rio de Janeiro

Hi,

ThoughtWorks is sponsoring Agile Brazil 2009, the first major conference on Agile methodologies to be held in Rio de Janeiro, Brazil. In this extensive, one-day event, various practitioners and speakers will conduct sessions on a range of well-known Agile methodologies and practices such as Lean, Scrum, XP, User Stories, Continuous Integration, Release management and Test Driven Development.

Date and Venue:
June 27, 2009, 8:30am - 6:00pm.
Salao A (Padre Anchieta hall)
PUC-Rio, Gavea, Rio de Janeiro, Brazil.
Registration Information
Registration: R$ 200,00.
Register for Agile Brazil 2009

Mingle User Group Meeting in Rio de Janeiro

We have organized a free follow-on event for agile enthusiasts. We invite you to the Rio Mingle User Group (MUG) Meeting, an exclusive meet for Mingle users in Brazil, to discuss and share their experience with Mingle. Adam Monago, our product expert along with other Agile experts will take you through Mingle and its features and provide you tips and tricks on how to better use Mingle for project management and collaboration. After the talk you can interact with the attendees over food and drinks.

Date: 1- July-2009
Time: 17:30 - 19:00
Venue: PUC-Rio, Rua Marques de Sao Vicente 225 - Predio Padre Leonel Franca - 13 andar - Gavea, Rio de Janeiro, Brazil

To confirm your participation for the Mingle User Group, simply reply to this email: Studios-Brazil@thoughtworks.com?

Regards,
ThoughtWorks Studios
Studios-Brazil@thoughtworks.com

São Paulo

A Aspercom e a ThoughtWorks convidam você para o Encontro Agile / Mingle User Group Meeting. Este será um evento gratuito em São Paulo com mini-palestras, discussões e muito bate-papo.

Data: 30 de junho de 2009 às 19:00hs / Local: Av. Paulista

Facilitadores:
Paulo Caroli, Adam Monago (ThoughtWorks)
Rodrigo Yoshima, José Paulo Papo

Mingle User Group Meeting

O encontro do Mingle User Group (MUG) do Brasil é uma oportunidade para conhecer, discutir e compartilhar experiências com o Mingle. Adam Monago, um especialista no produto juntamente com outros Agilistas experientes, demonstrarão o Mingle provendo dicas e truques em como usar o produto para gerenciamento de projetos e colaboração.

Local, agenda, inscrições e outras informações acesse: http://blog.aspercom.com.br/2009/06/22/evento-agile-mingle/

Rodrigo Yoshima
ASPERCOM

Paulo Caroli
ThoughtWorks

Agile Brazil 2009

Sunday, May 24th, 2009

Caso você ainda não saiba a ThoughtWorks está patrocinando um evento em Junho, no Rio de Janeiro: Agile Brazil 2009.

Além de palestrantes locais o evento vai contar com três ThoughtWokers: Jason Yip, Paulo Caroli e Adam Monago. O Jason é um dos mestre jedis em lean software development que temos na TW. O Paulo é brasileiro e trabalha oficialmente na TW US mas está em uma temporada na Índia. O Adam é gerente de produtos do Mingle.

Eu tenho conversado bastante com o Jason para explicar mais sobre o cenário de desenvolvimento de software no Brasil -que é bem diferente de qualquer outro país que eu conheça. Conhecendo a peça eu tenho certeza que a palestra vai ser uma excelente oportunidade para quebrarmos alguns mitos sobre lean que estão sendo introduzidos na cultura brasileira -como os de que contar “bugs por linhas de código” é uma métrica razoável para justificar uma prática ou metodologia.

Uma coisa boa é que ele está muito entusiasmado em fazer visitas à empresas interessantes. Eu entrei em contato com alguns lugares que considero bons candidatos mas se você tem alguma história interessante para contar e gostaria de recebê-lo por um dia me mande um e-mail que eu coloco vocês em contato. Note que ele vai estar no Rio e que você precisaria de alguma espécie de intérprete Inglês-Português.

Infelizmente eu não vou poder ir ao Brasil neste início de ano já que estou começando um projeto complicado na próxima semana que deve durar até Julho. Existe uma grande possibilidade de ir no segundo semestre, vamos ver se ela se realiza.

Domain-Driven Design & Agile: Fechando Malas

Wednesday, October 8th, 2008

Como falei algumas dezenas de vezes estou no fim de um projeto, na verdade na minha última semana neste instante. Foi um projeto muito interessante onde pudemos aplicar diversas técnicas como Domain-Specific Languages para testes e promoção de testes de aceitação. Também foi o primeiro projeto Java sem container que participei desde 2006, apenas PicoContainer, Hibernate, JMX e um cliente JMS -sem mesmo interface de usuário.

Outro ponto interessante sobre este projeto é que foi uma reescrita de um sistema com o qual estive envolvido antes. O cliente está passando por um programa que compreende diversos projetos e muitas fases. Há alguns meses nós fomos chamados para entregar, em algumas poucas semanas, uma versão deste sistema. Na nova fase do projeto eles resolveram investir mais na qualidade deste e tivemos uns bons 3 meses para reescrever tudo. Não só o sistema foi completamente reescrito bem como teve um time diferente (no anterior erámos eu e um colega ThoughtWorker, no atual somos 5 pares entre TWers, empregados do cliente e outros terceirizados).

O problema agora é a pressa. Não, o projeto não está com pressa, nossa entrega é em uma semana e faltam poucos cartões na parede. Eu que estou. Estou saindo deste projeto com muita coisa que eu queria fazer ainda meio-acabada e nesta última semana estou me dedicando basicamente a criar tracing bullets para o desenvolvimento futuro já que quem toma conta do sistema a partir da entrega de 15/10 é o cliente. Não é fácil com tão pouco tempo.

E esta lenga-lenga foi um mea-culpa para maiores informações sobre minha viagem ao Brasil. O press-release ficou assim:

Dia 23 e 24 de outubro ocorre em São Paulo o primeiro grande evento de Agile do Brasil:
http://www.falandoEmAgile.com.br/

Ouça as histórias de empresas que tem obtido sucesso com Scrum, entenda como estas práticas podem ser implantadas em ambientes tradicionais de projetos, veja o que a indústria tem falado e feito com Agile e descubra quais serão os próximos passos a serem dados nesse mundo. Conta com o palestrante internacional David Anderson, reconhecido líder na comunidade Ágil e autor do livro “Agile Management for Software Engineering”, e com o primeiro Certified Scrum Trainer da Scrum Alliance da América Latina, Alexandre Magno. De tópicos de Scrum e CMMI até estudos de caso com Agile na Austália, Inglaterra, Estados Unidos e Brasil.

Ocorrerão mais outros eventos próximos a essas datas:

O Zen of Agile, nos dias 21 e 22, um workshop com David Anderson:
http://www.heptagon.com.br/ws-zen-agile-mgmt

O Certified ScrumMaster, dias 27 e 28 de outubro:
http://www.caelum.com.br/treinamentos/csm-certified-scrum-master/

E por três vezes Phillip Calçado, conhecido aqui no GUJ, ministrará um workshop de Domain Driven Design de 8 horas, dia 21 de outubro no Rio de Janeiro, e dias 27 e 28 em São Paulo:
http://www.caelum.com.br/treinamentos/ws-46-domain-driven-design/
http://philcalcado.com/2008/09/01/brazilian…em-agile-domain-driven-design/

Está sendo divertido montar este workshop. É algo estranho porque é maior que uma palestra e menor que um curso -ao mesmo tempo é tempo demais e tempo de menos. Eu quero começar desmistificando alguns conceitos sobre objetos, trabalhando a idéia das decisões em três níveis e só depois entrar em Domain-Driven Design. É impressionante como fica mais claro falar sobre DDD depois de quebrar mitos, numa palestra nunca se tem tempo de fazer isso.

Como falei antes, para maiores informações basta ligar para a Caelum do Rio ou São Paulo.

E com a confirmação das datas eu muito provavelmente vou estar também no último dia do Rails Summit.

Brazilian Tour 2008: Falando em Agile, Domain-Driven Design

Monday, September 1st, 2008

Outubro vai ser um mês bem interessante. Vou entregar um dos meus projetos mais importantes até agora (pelo menos é o que nossas previsões dizem) e vou passar 15 dias entre férias e eventos no Brasil.

O motivo principal é para realizar uma apresentação no Falando em Agile 2008, mais um evento da Caelum. As inscrições estão abertas e inscrevendo-se com antecedência você consegue desconto.

Minha palestra vai ser sobre um tema que venho desenvolvendo há algum tempo: como adoções ágeis que tinham tudo para dar certo afundam. Antes de entrar para a ThoughtWorks eu já tinha vivido esta situação pelo menos duas vezes, nestes nove meses trabalhando numa grande consultoria especializada eu já vi umas três. Todas tinham um grupo de sintomas bem parecidos o quais estou tentando estruturar. Não é lá muito fácil mas acho que o resultado tende a ser bom. Se você acha que Vovô viu a uva, a web somos nozes, arquitetura BOLOVO e amigos foram piadas infames e de mau-gosto mal podem esperar pela temática desta apresentação…

Uma das coisas mais interessantes sobre o FalandoEmAgile 2008 para mim vai ser a presença do Danilo Bardusco na grade. O Danilo foi meu gerente na Globo.com antes de assumir tudo-menos-webmedia, quando passei a responder diretamente ao Antônio Carlos. Naquele momento a empresa viva diversas histórias tristes com métodos baseados em Waterfall, micro-management e consultorias CMMI 5; apesar dele não acreditar que aquilo ia dar certo no início foi sua perseverança e abertura à inovação que possibilitou aquele trabalho inicial que hoje, graças ao trabalho de todos, é referencia. O grande defeito dele é aquela mania infeliz de usar Vi quando todo mundo sabe que emacs é o único editor de texto que deveria ser utilizado. Mas eu perdôo.

Como falei, são 15 dias no Brasil. Eu ainda não sei as datas do que vou fazer mas devo ter algumas outras apresentações de palestras no Rio (certamente no RioJUG) e em São Paulo.

Como eu já estava vindo para o Brasil, acabei fechando com a Caelum uma série de oficinas em Domain-Driven Design. A idéia é cobrir os principais aspectos desta filosofia de design de uma maneira descontraída mas substancial. O primeiro post que menciona Domain-Driven Design neste blog é de 2005, e foi importado do meu antigo blog no blogger.com. Nesta época quase ninguém havia ouvido falar do conceito. Hoje ainda é algo relativamente obscuro mas um pouco mais popular. Claro que com a popularidade vem os problemas. Muita gente no GUJ, em blogs e outros fóruns está simplesmente associando Domain-Driven Design com um bom design Orientado a Objetos, ou pior ainda: com qualquer design OO.

Ao contrario do recente mito popular, Domain-Driven Design não é “voltar para Orientação a Objetos”. Orientação a Objetos foi criada como uma maneira de gerenciar dependências e criar unidades coesas e atômicas de código, não necessariamente uma forma de modelar uma Camada de Negócios. O que Domain-Driven-Design traz de volta é a possibilidade de utilizar as vantagens da Orientação a Objetos para criamos um modelo que reflita o mundo real de maneira mais íntima. Você não precisa sequer de objetos para aplicar o coração de Domain-Driven Design, ou mesmo seus Patterns.

A parte do “substancial” que falei acima é exatamente esta: não misturar Orientação a Objetos com Domain-Driven Design e sim trabalhar a relação entre eles. A parte “descontraída” é na forma de passar este conhecimento. Após alguns anos ministrando treinamentos eu não tenho a fórmula ideal para passar este tipo de conteúdo (altamente abstrato e que requer conhecimento posterior) mas eu já aprendi por tentativa e erro diversas formas em que isso não dá certo –pelo menos não comigo. Duas delas são: aulas expositivas e laboratórios. Se você não entende porque aulas expositivas não servem para este tipo de coisa pense sobre todo o conteúdo que é quase que literalmente jogado em cima de alguém numa faculdade e quanto dele é entendido (e entender não é tirar 10 na prova). O problema de laboratórios é que sempre perde-se tempo com a máquina, ou a linguagem (este não é um workshop Java ou Ruby ou C#, é um workshop sobre objetos).

Eu não tenho as datas nem preços (já encheu o saco da Caelum hoje?) mas vamos ter sessões em outubro no Rio e São Paulo, a preços acessíveis.

Bate-papo Sobre Papel do Arquiteto na Bennet

Thursday, May 31st, 2007

Após uma curta passagem turística por Curitiba voltamos a programação normal. Acabo de sair de um bate-papo com os alunos do Marcos Kalinowski que está fazendo um ótimo trabalho na faculdade Bennet, aqui no Rio. O Kali leva profissionais para que seus alunos possam entrar em contato com a realidade do mercado, muito interessante. É extremamente complicado falar de um assunto que os próprios profissionais não entendem bem, como arquitetura de software, mas acho que eles saíram de lá ao menos querendo saber mais sobre a área. Além do papel do arquiteto em si deu para perceber que o grande problema dos alunos é como entrar no mercado. Anúncios que pedem experiência para estagiários, sopas de letrinhas e tudo mais estão preocupando muito os programadores de amanhã.

Faz parte da política da IASA se aproximar cada vez mais dos centros acadêmicos e instruir as pessoas ainda antes que elas entrem no mercado e também dos pesquisadores, como é o caso do próprio Kalinowski.

Um ponto bom foi que rapidamente falamos sobre o posicionamento das duas maiores plataformas no mercado, java e .Net, e minha dica expressa: quem vai demorar uns anos ou mais pra entrar na faculdade deve aprender estas plataformas apenas academicamente. As coisas interessantes em dois anos não serão feitas da mesma maneira que eram há alguns anos, estamos num mercado em franca mudança.

Mais do Mesmo

Monday, May 21st, 2007

Estamos com mais duas vagas abertas na minha equipe. O perfil é um pouco diferente desta vez, vamos por partes.

Antes de mais nada, a equipe é responsável pelo processo de publicação e disponibilização de conteúdo em áudio e vídeo na Internet dos principais portais de vídeos e de áudio do Brasil, incluindo a integração com outros sites.

Cansado de apertar parafusos? Como desenvolvedor (este time não tem analistas, arquitetos ou padeiros, somos todos desenvolvedores) você vai especificar e implementar estes sistemas, que geralmente são desenvolvidos utilizando Java EE, alémd a manutenção evolutiva e corretiva dos produtos atuais.

Cansado da mesmice tecnológica? Aqui você vai trabalhar com interfaces web para editores de conteúdo, webservices REST para integração entre sistemas e os sites. Você vai trabalhar com e/ou ter contato com plataformas de encoding de mídias, Flash Video, Windows Media, Microsoft Silverlight, Ruby on Rails, Oracle, PHP, Open Solaris, PERL, Linux, MySQL, Weblogic, JBoss, Memcached, Hibernate/JPA, Spring, JSON, Selenium, CruiseControl, FIT/Fitnesse dentre muitas outras coisas. É uma empresa de ponta e temos que estar sempre trabalhando com as tecnologias mais novas e interessantes.

Cansado de escrever trinta documentos antes da primeira linha de código? A metodologia de desenvolvimento é iterativa com releases curtos, jogo do planejamento e estamos passando para a migração para Test-Driven Development.

Cansado e ficar preso na jaulinha? Aqui nós temos diversas máquinas no laboratório para testarmos o que precisar ser feito. Ninguém vai censurar sua Internet e, se você quiser, pode instalar a sua distro preferida (estou neste momento digitando do meu Kubuntu).

Cansado de pular de galho em galho? A empresa oferece contratação apenas por CLT, com salário de mercado e plano de benefícios. Estamos localizados na Barra da Tijuca, e a política de horário é bem flexível. E temos nossa já famosa política dos 10%: 1/2 dia por semana (geralmente as tardes de sexta-feira) é dedicado a um projeto pessoal que você quiser desenvolver. Damos suporte á pessoas de outros estados que queiram mudar para o Rio.

Não estamos procurando juniors ou estagiários, um nível de experiência em desenvolvimento web e, principalmente, Java é necessário.

Se você acha que se enquadra mande um email para oportunidade-rj@fragmental.com.br com seu curriculum e os 3 últimos livros que você leu.